A Vipex, empresa da Marinha Grande que se dedica à fabricação de produtos plásticos, vai passar a consumir energia elétrica 100% renovável, o que vai permitir reduzir já este ano a emissão de quase 300 toneladas de dióxido de carbono para a atmosfera

 

Jorge Santos, diretor executivo da Vipex, considera que “tornar o negócio mais verde leva a uma maior eficiência e economia de recursos. Atrai clientes que valorizam a proteção do planeta, reduz os riscos para a saúde e aumenta a felicidade das pessoas. Em suma, gera vantagens competitivas”, acrescentando que “é nisto que acreditamos”.

 

A empresa marinhense acaba de contratar à Endesa o fornecimento de energia elétrica 100% renovável, ou seja, a energia a fornecer no decorrer do contrato à instalação, será compensada através de uma única emissão anual de certificados verdes, se disponíveis (RECS ou equivalentes). De acordo com a empresa, este certificado será único e emitido à Vipex, incluindo toda a energia consumida no período referente, sendo que na referida instalação, passará a dispor, durante a vigência do contrato, da total compensação das emissões de CO2 e das emissões de RAA.

 

Segundo o diretor-geral do negócio B2B, Miguel Mendes, “há um compromisso firme da Endesa em oferecer aos seus clientes produtos personalizados e, neste caso, uma energia verde, sem emissões. A sustentabilidade e a energia verde estão no DNA da Endesa, como um valor intrínseco e inegociável. Valorizamos clientes como a Vipex que exigem que a energia fornecida pela Endesa provenha de fontes renováveis. Este é o caminho para uma verdadeira sustentabilidade”.

 

Aposta na inovação tecnológica

 

Em nota de imprensa, a Vipex sublinha que esta solução será mais um contributo para a inovação ecológica, um dos eixos estratégicos da empresa na sua visão para 2030.

 

“Desde há muito que os produtos dos nossos clientes têm vindo a beneficiar sustentadamente da redução de emissões de CO2 através dos nossos investimentos e da melhoria das nossas práticas, por forma a reduzir pegada de carbono”, refere Jorge Santos.

 

Segundo o gestor, “em 2002, fomos a 37.ª empresa em Portugal a obter a certificação ambiental ISO 14001, tendo tido sempre a preocupação de tomar iniciativas que vão muito além dos requisitos da norma”.

 

Para o diretor de Qualidade e Ambiente da Vipex, Paulo Santos, “os resultados têm sido fantásticos”, explicando que entre os anos de 2016 e 2020, os quilogramas de dióxido de carbono emitidos por tonelada de matéria-prima transformada registaram uma redução de 76%. Para o responsável, esta melhoria resulta “da aposta da administração da empresa nas práticas ambientais, incentivando a equipa e realizando os investimentos necessários, aliado ao empenho dos mais de 100 «arquitetos do plástico» da empresa”.

 

Jorge Santos acrescenta que estes resultados ocorreram “num contexto em que no mesmo período a atividade da empresa registou um crescimento de 40% e a Endesa tem vindo a aumentar o peso das fontes renováveis nos seus fornecimentos”.

 

“Não quisemos ficar por esta excelente performance e, para 2021, em resultado dos investimentos em equipamentos e estruturas energeticamente mais eficientes, vamos reduzir em mais de 80% as emissões de CO2 por quilograma de matéria-prima transformada”, referiu ainda o diretor executivo da Vipex, com base na simulação feita através de uma plataforma de uma empresa internacional de grande relevância que a empresa marinhense tem vindo a utilizar.

 

e-max.it: your social media marketing partner