Henrique Neto apresentou quarta-feira, 25 de março, em Lisboa,  a sua candidatura à Presidência da República, transformando-se no primeiro candidato oficial na corrida a Belém, e que o faz sem o apoio dos partidos.

Aos 78 anos, o fundador da Iberomoldes, tem sido uma voz discordante de muitas das opções tomadas pelo Partido Socialista, de que é militante, em especial do antigo Primeiro-Ministro José Sócrates.

O JMG colocou algumas questões ao empresário marinhense, no sentido de perceber as suas motivações e quais os objetivos da sua candidatura.

Por que motivo resolveu avançar com uma candidatura à Presidência da República?

Decidi candidatar-me, depois de alguma introspeção pessoal, por forças da contínua degradação da situação política, económica, social e ética, que denunciei ao longo dos anos e pela constatação de que os portugueses têm sido continuadamente enganados por promessas ilusórias e frequentemente falsas. Faço-o, portanto, com o objetivo de contribuir para mudar este estado de coisas através da promoção da verdade, da pedagogia e dos valores da democracia. Também, naturalmente, para apresentar ao País as minhas ideias para vencer a crise e melhorar a vida dos portugueses.

Leia a entrevista na integra na edição em papel do JMG.

e-max.it: your social media marketing partner