“Mobilidade, turismo e urbanismo: novas formas de ver a Marinha Grande” foi o título da conferência que o Partido Socialista dinamizou na sua sede de campanha, na noite de 29 de agosto, terça feira.

A conferência teve início com a anfitriã, Cidália Ferreira, a revelar algumas das propostas da sua candidatura nas áreas em foco, designadamente a aposta na ciclovia, a construção de um novo terminal rodoviário urbano e interurbano e a requalificação do chamado ‘Parque da Mobil’ que continuará a ser gratuito mas equipado para abastecer veículos elétricos. A cabeça de lista à Câmara deu ainda conta da pretensão de requalificar a rede viária e as habitações do centro histórico, para que “tenhamos um melhor cartão de visita”. Cidália Ferreira referiu também ter projetos “bem interessantes” para a Freguesia da Moita, de forma a potenciar o seu património rural.

Marinhenses acima da média na dependência do automóvel

Micael Sousa foi o primeiro orador da noite, cabendo-lhe abordar a temática da mobilidade e acessibilidades. O engenheiro civil deu conta de que as cidades da Marinha Grande e de Leiria apresentam uma taxa de motorização de 60% quando a média nacional é de 54%, para demonstrar a elevada dependência do carro. Micael Sousa disse também que o setor dos transportes é o que consome mais energia e, por conseguinte, o que mais polui, apontando como solução o conceito de “smart city”, associado à implementação de um sistema integrado de transportes públicos. O orador frisou que é importante “pensar” e “testar” cada meio de transporte, tendo em conta os destinos, bem como a necessidade de acompanhar as novas tecnologias, designadamente com a criação de um único cartão para os diferentes tipos de veículo. Micael Sousa defendeu ainda a aposta em bilhética integrada, com mapas da cidade e roteiros turísticos, a par da existência de uma estação intermodal onde confluam os diferentes meios de transporte público. O engenheiro civil considerou que deve ser acautelada a existência de bolsas de estacionamento para residentes nas zonas centrais das cidades, e que o urbanismo deve ser planeado de forma a garantir o maior número possível de serviços nas áreas de residência, de modo a fixar as pessoas e a reduzir a sua necessidade de se deslocar.

Esta secção do artigo está disponível apenas para os nossos assinantes. Por favor clique aqui para subscrever um plano para ver esta parte do artigo ou então leia o artigo completo na nossa edição em papel.

e-max.it: your social media marketing partner