Naturais de Vieira de Leiria, João Mourinho e Fernando Piedade cresceram num contacto permanente com o Rio Lis. Hoje, aos 34 anos, os dois fotógrafos amadores abraçam juntos o projeto Naturalis.Fotografia, fundado no início deste ano como forma de “aliar a paixão pela fotografia ao crescente interesse pela preservação e proteção da vida selvagem”.


Em que consiste o projeto "Naturalis.Fotografia"?
O projeto nasceu como forma de aliar a nossa paixão pela fotografia ao nosso crescente interesse pela preservação e proteção da vida selvagem inserida no nosso meio ambiente, tendo como foco a nossa região de Leiria, tão rica em fauna e flora.
O projeto surgiu no início de 2018, após discutirmos bastante as condições e problemas que estavam a afetar a vida animal na nossa região. Foram essas conversas que alimentaram a necessidade de dar o passo seguinte e fazer algo que, a seu tempo, tivesse o devido impacto. A fotografia surgiu assim como um meio para atingir esse fim.

Qual a principal missão do trabalho que desenvolvem?
Como principal missão temos a divulgação da natureza que nos rodeia e a consciencialização para as temáticas da proteção e preservação, ou seja, o que pode ser feito para que o impacto causado pelo ser humano possa ser sentido da menor forma possível no meio circundante.

Como se processa todo o trabalho que desenvolvem, desde a preparação de todos os materiais até à captação das fotografias?
É sempre um trabalho de muita paciência e que chega mesmo a ser cansativo, mas que no fim se revela extremamente gratificante e divertido. Ao contrário do que possam pensar isto não é chegar e fazer a tão desejada fotografia.
Fotografar cada espécie requer muita estudo sobre a mesma, muitas horas passadas no terreno, quer estejamos camuflados ou até mesmo em abrigos simplesmente para observação, para que assim possamos perceber os seus hábitos e comportamentos e chegarmos à tão desejada fotografia.
Já no caso de animais noturnos, chegamos a passar noites acordados à procura de indícios, pegadas ou algo que nos mostre que uma determinada espécie passou por aquele local. Seguidamente, passamos à "armadilhagem", usando câmaras que nos permitem observar e ajudar a perceber quais os hábitos de determinada espécie e a que horas visitam um determinado local. Por fim, depois de percebermos tudo isso, passamos então à fotografia propriamente dita.

Em que zonas da região desenvolvem esse trabalho?
Atualmente estamos a trabalhar nas áreas banhadas pelo rio Lis, mais concretamente nos campos do Lis, mas futuramente iremos sem dúvida alargar a nossa área de trabalho e de observação.

Esta secção do artigo está disponível apenas para os nossos assinantes. Por favor clique aqui para subscrever um plano para ver esta parte do artigo ou então leia o artigo completo na nossa edição em papel.