Apesar do trabalho meritório realizado, a Casa Esperanza – Associação de apoio animal – vê-se confrontada com inúmeras dificuldades, desde logo o facto de não ter luz elétrica nas instalações provisórias onde estão mais de meia centena de animais, cães e gatos, ao seu cuidado.

Em entrevista ao programa “Casa das Coletividades”, conduzido por Vítor Marques, Lúcia Azevedo, presidente da Associação, Sílvia Oliveira, vice-presidente, e Sara Rosa, tesoureira, deram conta dos principais problemas com que se debatem no dia a dia para puderem ajudar os animais.

Criada em fevereiro de 2016, a Casa Esperanza vive de donativos dos associados, da sociedade civil e do trabalho voluntário, já que não tem quaisquer apoios estatais. As despesas veterinárias “são muitas” e por esse motivo são promovidas festas e o sorteio de cabazes ao longo do ano para tentar angariar mais fundos.

Aos microfones da Rádio Clube Marinhense, as responsáveis explicaram que há cada vez mais animais para cuidar e poucos voluntários para acudir às solicitações, considerando que “tem havido aumento do número de animais abandonados e falha do sistema, que não funciona como deveria”.

Motivadas pelo gosto que têm aos animais, dedicam voluntariamente o seu tempo a esta causa, no entanto apelam à população para que pense em esterilizar os seus animais domésticos, “uma vez que é impossível albergar todos os animais que vão nascendo e não se consegue encontrar um novo lar para todos. Não há gatis suficientes e muitos gatos veem-se obrigados a andar na rua, o que incomoda muita gente”.

Esta secção do artigo está disponível apenas para os nossos assinantes. Por favor clique aqui para subscrever um plano para ver esta parte do artigo ou então leia o artigo completo na nossa edição em papel.

e-max.it: your social media marketing partner