No último fim de semana, a história da Marinha Grande voltou a ser retratada em pleno Auditório José Vareda. 25 anos depois, o Grupo de Teatro do Sport Operário Marinhense repôs parte da peça “A soprar se vai ao longe”, do encenador Norberto Barroca. O JMG não faltou à estreia deste espetáculo comemorativo.

Foram de recordação e emoção os momentos vividos na noite do passado sábado, dia 8, no Auditório José Vareda do Sport Operário Marinhense. Em palco e na plateia estavam muitos dos 50 participantes, entre atores e técnicos, que em 1993 deram vida à peça “A soprar se vai ao longe”, onde era retratada a história da Marinha Grande, desde a sua fundação até ao encerramento da Fábrica-Escola Irmãos Stephens, precisamente nesse ano.

A sessão, marcada para as 21h45, arrancou com a apresentação da história em torno da criação desta peça, de Norberto Barroca, que levou cerca de dois anos a estar concluída e a ser oficialmente estreada.

Esta secção do artigo está disponível apenas para os nossos assinantes. Por favor clique aqui para subscrever um plano para ver esta parte do artigo ou então leia o artigo completo na nossa edição em papel.

 

e-max.it: your social media marketing partner