A situação de pandemia em que mergulhámos devido ao novo coronavírus teve impacto em praticamente todos os setores. Na Marinha Grande houve obras públicas que pararam para que as empresas se pudessem reorganizar, e vão ser retomadas nos próximos dias

É o caso da obra de requalificação do Centro de Saúde da Marinha Grande que tem estado parada nos últimos dias. Segundo afirmou ao JMG o vice-presidente da autarquia e vereador com o pelouro das obras públicas, os trabalhos vão ser retomados na próxima segunda feira.

Entretanto, a Administração Regional de Saúde do Centro, que fez o projeto da obra, está a trabalhar numa alteração que permitirá, de acordo com Carlos Caetano, substituir a caixilharia das janelas e os estores, bem como realizar outros pequenos trabalhos que surgiram no decurso da obra.

Também a empreitada de ampliação da Zona Industrial da Marinha Grande parou por alguns dias, mas a empresa responsável já retomou os trabalhos no terreno, após terem sido tomadas as necessárias medidas de contenção face à pandemia do novo coronavírus e para salvaguardar os seus colaboradores.

Esta segunda feira, 30 de março, foi retomada a obra de requalificação da cantina da Escola da Embra, após duas semanas de interrupção devido também ao novo Coronavírus.

Carlos Caetano adiantou ao nosso jornal que as obras de pavimentação de diversas ruas que estavam previstas vão ficar, para já, paradas, bem como os trabalhos de construção de novas ciclovias na cidade.

Em Vieira de Leiria, a empreitada de reparação do telhado do Cine Teatro Actor Álvaro, que estava, segundo o autarca, “quase pronta”, também foi interrompida devido à pandemia, e na Amieira, também a obra de construção do saneamento básico ficou parada, mas a empresa deverá retomar os trabalhos em breve.

Em Picassinos, a fase 2 do saneamento básico deveria ter arrancado no passado dia 16 de março, mas a empresa responsável, a braços com a falta de alguns materiais, segundo adiantou Carlos Caetano, pondera avançar em breve para o terreno.

Outra das obras que vai continuar, pelo menos para já no papel, para “preocupação” do vereador, é a construção da nova adutora de água entre os Picotes e São Pedro de Moel, cuja maior parte do traçado irá ‘acompanhar’ a ciclovia.

“Os técnicos já tinham andado no terreno a fazer algumas marcações, mas devido à pandemia tiveram necessidade de se reorganizar, mas querem, assim que possível, avançar com a obra”, afirmou Carlos Caetano ao nosso jornal, que se mostrou assim “preocupado” com o eventual atraso que esta situação poderá causar nas fases seguintes da obra, que, recorde-se, prevê também a construção de uma nova adutora entre os Picotes e a Marinha Grande, dadas as ‘fragilidades’ da atual estrutura, com frequentes ruturas.

e-max.it: your social media marketing partner